IJUI NEWS - Polícia conclui que líder de facção comandou execução de Juliano dos Santos no Alvorada
Min: 15º
Max: 26º
Predomínio de Sol
logo ijui news
Rad mais novoRad mais novo
rad E

Polícia conclui que líder de facção comandou execução de Juliano dos Santos no Alvorada

Autoridade policial que presidiu o inquérito indiciou quatro indivíduos – um está foragido - e sugeriu que a vítima tenha sido emboscada. Juliano foi morto a tiros na noite de 4 de agosto deste ano, em frente do ginásio do bairro.

Matéria Publicada em: 09/09/2022
Local do crime e, no detalhe, a vítima Juliano. Fotos: Abel Oliveira e reprodução arquivo pessoal.

Acesse o site do Palmero Veículos AQUI

_________________________________________________

A Polícia Civil (PC) de Ijuí concluiu o inquérito da execução a tiros de Juliano Silveira dos Santos, aos 25 anos, crime registrado na noite de 4 de agosto deste ano, em via pública, em frente da entrada principal do ginásio do bairro Alvorada.

Homem de 25 anos é perseguido e executado a tiros em frente do ginásio do bairro Alvorada, em Ijuí

A PC encaminhou a investigação à Justiça opinando pela denúncia de quatro sujeitos que, em tese, cometeram o assassinato por questões relacionadas ao tráfico de entorpecentes. Três estão presos e um foragido.

A autoridade policial que presidiu o inquérito indiciou os quatro indivíduos e sugeriu que a vítima tenha sido emboscada.

Diz a PC que Juliano foi chamado às proximidades do local onde foi morto para uma negociata de maconha com um dos suspeitos, conhecido por “Maninho”, 26 anos, de Ijuí, que está foragido.

Segundo a Polícia, no local combinado, Juliano teria sido surpreendido pelos atiradores – Du”, de 27 anos, de Ijuí, e “”, 23 anos de Espumoso/RS -  que o mataram.

A investigação aponta que o crime teve como motivação uma dívida de “Maninho” com um líder de facção preso, identificado como “Mano”, 33 anos, de Porto Alegre, o mandante da execução.

Maninho”, para quitar a dívida, aceitou entregar a vítima aos atiradores “Du” e “” em local previamente acordado para o assassinato.

O caso será analisado pelo Ministério Público (MP) que, com base na prova colhida durante as investigações, formará a denúncia com base nesse conjunto probatório.  

Fotos/vídeos: Cópias não autorizadas | Lei nº 9.610/98.

Brito lateral 2020